Vendas mundiais de smartphones cresceram 27% no trimestre

39

Dados levantados pela Canalys indicam que nos três primeiros meses do ano os fabricantes venderam 347,4 milhões de unidades

De acordo com a empresa de pesquisas Canalys, as vendas mundiais de smartphones no primeiro trimestre deste ano alcançaram 347,4 milhões de unidades, um aumento de 27% se comparado ao mesmo período do ano passado. A Samsung ficou em primeiro lugar no ranking dos fabricantes, vendendo 76,5 milhões de unidades, com um market share de 22%, o mesmo percentual do primeiro trimestre de 2020, quando vendeu 59,6 milhões de aparelhos.

O fornecimento de componentes essenciais, como chipsets, rapidamente se tornou uma grande preocupação e prejudicará as remessas de smartphones nos próximos trimestres. E levará as marcas globais a repensar as estratégias regionais

Publicações Relacionadas

A Apple manteve o segundo lugar no ranking, com vendas de 52,4 milhões de iPhones, com uma participação de 15%. Seu iPhone 12 Mini vendeu abaixo das expectativas, mas a força em outros modelos do iPhone 12, bem como a demanda mais forte pelo antigo iPhone 11, ajudaram a manter um forte impulso. Xiaomi registrou seu melhor desempenho de um único trimestre de todos os tempos, crescendo 62% e comercializando 49 milhões de unidades. A Oppo e a Vivo completaram os cinco primeiros colocados no ranking, com remessas de 37,6 milhões de unidades e 36 milhões de unidades, respectivamente. A Huawei, que não inclui mais a Honor, está agora em sétimo lugar com 18,6 milhões de unidades vendidas no período – o ex-número um do mundo continua acorrentado pelas sanções impostas pelos EUA.

“Além do grande valor do produto, a Xiaomi agora também está fazendo progressos para recrutar talentos locais, tornar-se mais amigável ao canal e liderar em inovação de ponta, como visto com o Mi 11 Ultra e seu recente dobrável, o Mi Mix Fold, disse Ben Stanton, gerente de Pesquisa da Canalys. “Seus concorrentes oferecem margem de canal superior, mas o grande volume da Xiaomi, na verdade, dá aos distribuidores uma melhor oportunidade de ganhar dinheiro do que as marcas rivais. Mas a corrida não acabou: a Oppo e a Vivo estão em seus calcanhares e estão se posicionando na faixa intermediária em muitas regiões para colocar a Xiaomi no limite inferior. A Honor também é uma ameaça iminente. Ela já fechou acordos de cadeia de suprimentos e agora está assinando acordos de distribuição para entrar novamente em vários mercados no segundo semestre de 2021. A Xiaomi está liderando o pacote, mas a corrida apenas começou”, explicou.

“A LG, uma estrela da indústria de smartphones, está saindo deste segmento este ano”, disse Sanyam Chaurasia, analista da Canalys. “É um símbolo de uma nova era no mercado de smartphones. Isso prova que preços agressivos e estratégia de canal são mais importantes do que a diferenciação de hardware nos dias modernos. A LG detém a maioria de sua participação nas Américas, com 80% de seu total em 2020, o que apresenta novas oportunidades para empresas como Motorola, TCL, Nokia e ZTE, especialmente em faixas de preço abaixo de US$ 200. Como o mercado de smartphones continua a se consolidar, esta não será a última vez que os fornecedores incumbentes lutam pelos restos de uma marca derrotada”, comentou.

O fornecimento de componentes essenciais, como chipsets, rapidamente se tornou uma grande preocupação e prejudicará as remessas de smartphones nos próximos trimestres. E levará as marcas globais a repensar as estratégias regionais. “Algumas marcas, por exemplo, retiraram a prioridade dos embarques de dispositivos na Índia, em meio à nova onda da Covid-19, e, em vez disso, estão concentrando esforços na recuperação de regiões, como a Europa. E enquanto a escassez persistir, isso concederá às empresas maiores uma vantagem única, já que as marcas globais têm mais poder para negociar a alocação. Isso vai colocar mais pressão sobre as marcas menores e pode forçar muitos a seguir a LG para fora da porta”, observou Stanton.

você pode gostar também