Os três principais riscos do uso da VPN

17

Redes do tipo devem ser eliminadas em favor do Perímetro Definido por Software em 60% das empresas até 2023, de acordo com a Gartner

Os dispositivos VPN sempre foram motivo de preocupação por suas limitações e vulnerabilidades, incapazes de responder à evolução das ameaças cibernéticas. Com a pandemia, os riscos aumentaram, já que o uso das Redes Privadas Virtuais explodiu com mais colaboradores tendo acesso a ela, ao mesmo tempo em que mais sistemas foram expostos ao acesso remoto. Cientes disso, os cibercriminosos não demoraram a aumentar os ataques direcionados às redes do tipo.

Não por acaso, diante das desvantagens, as VPNs, segundo levantamento da Gartner, devem ser eliminadas em favor do Perímetro Definido por Software (SDP) em 60% das empresas até 2023. De acordo com Marcos Tabajara, diretor de vendas e canais para o Brasil da Appgate, especializada em soluções de segurança cibernética, a adoção de uma abordagem Zero Trust, ou seja, presumir que todo acesso pode ser comprometido, é fundamental para afastar as ameaças.

“Recomendamos a troca de dispositivos VPN por um Perímetro Definido por Software. Isso permite que você implemente políticas de segurança fortes para cada sistema que o colaborador tente acessar, por meio de requisitos diferentes dependendo da função exercida, do dispositivo usado e do sistema que deseja acessar, limitando o acesso apenas ao que é necessário para realizar um trabalho”, afirma Tabajara.

“Essas recomendações fazem parte de uma abordagem Zero Trust, que adota medidas de segurança adicionais, como autenticação multifator, para garantir que o acesso seja de um funcionário real, e segmenta a rede para que o dano seja contido, caso um sistema seja comprometido, de forma que o invasor não possa se mover lateralmente”, completa o executivo.

Publicações Relacionadas

De acordo com os especialistas da Appgate, as principais investidas contras as VPNs atualmente podem ser agrupadas em três cenários, exigindo diferentes medidas de segurança:

 Dispositivo VPN exposto à internet contém uma vulnerabilidade
A ação permite que um invasor obtenha acesso à rede executando uma exploração. Recentemente, ocorreram inúmeros casos de exploração do CVE-2021-20016 (afetando o SonicWall SSLVPN) pelo grupo criminoso DarkSide, e também do CVE-2021-22893 (afetando o Pulse Secure VPN), explorado por mais de 12 diferentes cepas de malware. Para estar protegido neste cenário, é importante manter todos os softwares de terceiros atualizados, limitando o uso de vulnerabilidades conhecidas.

 Credenciais de colaboradores comprometidas
Ocorre, por exemplo, em um vazamento de mídia social em que o funcionário usa a mesma senha para a VPN da empresa, de modo que um invasor pode personificar o usuário para executar comandos nos sistemas permitidos. Neste caso, é essencial implementar mecanismos de autenticação multifator para garantir que o usuário real esteja tentando se autenticar e não um invasor se passando por ele por meio de credenciais vazadas. Políticas de senha fortes e senhas que expiram periodicamente são muito importantes, pois tornam mais difícil para um invasor adivinhar as credenciais. No entanto, essas políticas não resolvem totalmente o problema, pois um invasor habilidoso pode recuperar credenciais vazadas recentemente ou até mesmo adivinhar a senha atual usada com base em amostras antigas.

Máquina infectada
O computador de um colaborador pode ser comprometido por meio de um spam, e o ataque é realizado assim que a VPN é conectada. Esse é um cenário um pouco mais complexo de lidar. Primeiro, é preciso treinar os funcionários contra ataques de engenharia social para que possam evitar a infecção por meio de mensagens de phishing e spam. No lado da infraestrutura, é preciso usar a autenticação multifator para validar o acesso aos sistemas. Por exemplo, exigir um token 2FA (dois fatores) quando o colaborador tentar se conectar a um novo sistema para garantir que um malware não esteja usando a mesma conexão para mirar ou fazer a varredura de outros sistemas. Finalmente, limitar o acesso do usuário ao que uma pessoa precisa para fazer seu trabalho, ou “acesso com privilégios mínimos”, evitando sistemas confidenciais que o usuário nem precisa acessar.

“Ninguém dimensionou o uso da VPN para usuários de toda uma empresa, como tem ocorrido agora. Trata-se de uma tecnologia que nasceu em 1996 e que não acompanhou a evolução tecnológica, por isso, uma atualização é necessária. O Perímetro Definido por Software é focado na identidade do usuário, oferece autorizações online para conceder acesso ou revogar o acesso de maneira constante e adaptável, além de disponibilizar conexão segura de ponta a ponta, sendo a opção ideal para substituição das VPNs”, finaliza Tabajara.

você pode gostar também