O que é SSH e para que serve esse protocolo de segurança na internet

34

O objetivo do SSH é permitir que desenvolvedores ou outros usuários realizem alterações em sites e servidores utilizando uma conexão simples e segura

SSH é a sigla para Secure Socket Shell, sendo um dos protocolos específicos de segurança de troca de arquivos entre cliente e servidor de internet, usando criptografia. O objetivo do SSH é permitir que desenvolvedores ou outros usuários realizem alterações em sites e servidores utilizando uma conexão simples e segura.

Você saberia responder como a internet funciona? Ter a resposta para essa pergunta pode ser vantajoso para um gestor nos dias de hoje, pois  mostra que ele entende da tecnologia que auxilia no cotidiano da maioria dos negócios.

A questão passa pelos Protocolos de Internet, ou Protocolos de Rede. O tema pode ajudar a entender um pouco mais a respeito do funcionamento dos sites, da produção de conteúdo e das trocas de dados. Ou seja, da era digital como um todo.

Esses protocolos consistem basicamente em normas que possibilitam com que qualquer máquina conectada à internet possa se comunicar com outra também já conectada na web.

Se hoje você pode acessar um site, um blog, efetuar compras em uma loja virtual, enviar e receber emails, e fazer postagens nas redes sociais, é tudo graças a esses protocolos. Você certamente já se deparou com vários deles na hora de navegar na web.

Há o protocolo HTTP, o HTTPS, o DHCP, o FTP, o SSH e vários outros dotados de características e funções específicas. Nessa postagem, você vai ficar por dentro do protocolo SSH. Siga a leitura e confira os tópicos:

  • O que é o protocolo SSH
  • Como surgiu e como funciona esse protocolo
  • Saiba porque esse protocolo tem o nome de Shell
  • Técnicas de criptografia do protocolo SSH
  • Conheça as principais ferramentas SSH

O que é o protocolo SSH?

Para compreender melhor o que é esse protocolo, é importante saber que ele é a sigla para o termo Secure Socket Shell. Em tradução livre, significa “Concha de Segurança”, mas pode ser adaptado para o termo “Bloqueio de Segurança”. 

Basicamente, o SSH consiste em um dos protocolos específicos de segurança de troca de arquivos entre cliente e servidor. Por essa razão, quando o assunto é segurança em seu projeto na internet, esse protocolo ganha bastante relevância.

O processo de transferir dados é parte integrante das tarefas comuns na era digital e é essencial garantir que ele seja seguro. Por isso, esse tipo de protocolo é fundamental em um site, seja para empresas ou residências.

O objetivo do SSH é permitir que desenvolvedores ou outros usuários realizem alterações em sites e servidores utilizando uma conexão simples e segura. Com isso, por meio de um dispositivo conectado à internet, o desenvolvedor pode configurar e alterar arquivos de uma página da web.

De uma forma geral, esse protocolo cria um método seguro e impede que esses arquivos e de seus códigos sejam expostos ou corrompidos por terceiros. É aí que as criptografias são usadas, permitindo apenas que dois pontos acessem as informações, que são o servidor e o computador que enviou os dados para esse local remoto.

Como surgiu e como funciona o protocolo SSH

O SSH é um protocolo surgido em 1995. Ele foi desenvolvido pelo programador Tatu Ylonen, com o objetivo de solucionar um incidente envolvendo hackers em uma universidade finlandesa.

Hoje em dia, o protocolo SSH é utilizado para gerenciar mais da metade dos servidores web no mundo inteiro, com presença em quase todos os computadores que operam com Unix ou Linux. Essa ferramenta faz parte do cotidiano de vários profissionais que atuam na área da programação e no desenvolvimento de sistemas de segurança.

O protocolo SSH pode ser utilizado para configurar, gerenciar, monitorar e operar firewalls, roteadores, switches e servidores de redes e ambientes digitais na web.

Além disso, funciona por meio de uma chave pública que tem o objetivo de verificar e autenticar a legitimidade do servidor que o usuário pretende acessar (ou vice-versa). O acesso então é realizado com o uso de um login e senha. Esse recurso consegue proteger a conexão.

Uma das grandes vantagens é que, por meio do SSH, o usuário tem condições de estabelecer um sistema de proteção para o seu site sem comprometer o desempenho dele. Com isso, o SSH torna a segurança do seu projeto mais eficiente, enquanto também atua na transferência de arquivos.

Saiba porque esse protocolo tem o nome de Shell

Já mencionamos que SSH é a sigla para o termo “Secure Shell”, mas por que esse protocolo recebe esse nome? “Shell” em português significa “concha”, “casca”, um elemento de proteção. Imagine, por exemplo, uma tartaruga sem a sua carapaça. Pois então, no universo da programação e das linguagens de computador, o SSH também serve para proteger.

Ele atua como um interceptador de comandos que realiza a ligação entre o usuário e o sistema operacional. Essa concha, esse “Shell”, executa os comandos inseridos pelo usuário por meio do teclado, por exemplo. A partir daí ele passa a obter respostas.

Técnicas de criptografia do protocolo SSH

Publicações Relacionadas

Uma das principais características do protocolo SSH é contar com a tecnologia de criptografia. É por meio dela que o SSH transmite as informações entre o usuário e o servidor de hospedagem com o máximo de segurança. Sendo assim, o protocolo SSH utiliza três tecnologias de criptografia, as quais veremos mais abaixo. 

Criptografia Simétrica

Também chamada de Chave Compartilhada ou Compartilhamento Secreto, esse tipo de criptografia usa uma chave secreta. Por meio dela, é possível transferir, codificar e decodificar uma mensagem do cliente e do servidor. 

Chaves simétricas são usadas para codificar uma comunicação criptografada. Sendo assim, tanto o cliente quanto o servidor utilizam uma chave secreta por meio de um método que não pode ser mostrado a terceiros.

Criar uma chave simétrica envolve o uso de uma chave de mudança de um algoritmo. O que altera nesse algoritmo é o fato que a chave nunca é transmitida entre o cliente e o servidor da hospedagem. Desse modo, o compartilhamento dos dados e a manipulação dos mesmos ocorrem de modo independente, evitando que o algoritmo seja reconhecido por outros usuários.

Além disso, nesse tipo de criptografia, cada sessão SSH possui a sua própria chave (token). Isso demanda uma autenticação antecipada do cliente, que deve usar uma senha de login para acessar uma máquina externa ou servidor. 

Criptografia Assimétrica

Ela utiliza duas chaves secretas separadas. Essas chaves servem tanto para codificar quanto para decodificar o processo de comunicação entre o cliente e o servidor. Ambas são conhecidas como chave-pública e chave-privada. Unidas, elas formam o par pública-privada.

A chave-pública, conforme o próprio nome aponta, é aberta. Por meio de uma complicada relação entre os dois tipos de chaves, a mensagem é codificada pela chave-pública da máquina, que pode ser apenas decodificada pela chave-privada da mesma máquina.

Isso quer dizer que a chave-pública não decodifica suas próprias mensagens e nem algo já criptografado pela chave-privada. Portanto, o usuário que pretende descriptografar dados públicos deve, primeiro, ter a chave-privada correspondente.

Criptografia Hashing

Esse tipo de criptografia é também conhecida como One-Way Hashing, que em português pode ser chamada de “Criptografia de uma via só”. O processo da Criptografia Hashing abrange codificações de dados e mensagens, porém, nunca a decodificação dessas mesmas informações.

Sendo assim, o Hashing utiliza um único valor para cada entrada e que não pode ser explorado. Isso dificulta ao máximo a decodificação realizada por terceiros. Na criptografia Hashing, a autenticação das mensagens é realizada por meio de códigos baseados em Hash. Apenas os usuários interessados estão aptos a efetuar o acesso. Esse procedimento promove a segurança desse tipo de criptografia.

Conheça as principais ferramentas SSH

Os desenvolvedores podem contar com ferramentas SSH que servem para facilitar o trabalho. Vale conhecer alguns deles a seguir. 

SmarTTY

Esse arquivo apresenta várias funcionalidades. As principais são transferir arquivos e diretórios, abrir mais de uma aba e editar arquivos no próprio servidor.

PuTTy

Ele é uma ferramenta SSH destinada para Windows, Unix e Linux. Além de ser um software open source, ele estabelece um túnel codificado entre os servidores. 

Ele também permite acessar o servidor de forma remota, viabilizando a personificação dele, permitindo que o usuário efetue alterações e instalações conforme considere necessário. 

OpenSSH

Ele atua evitando espionagem, sequestro de dados e outros tipos de danos causados por hackers. Essa ferramenta disponibiliza vários recursos de filtragem e alternativas de autenticação.

Segurança é tudo na internet

A segurança digital é um fator essencial, seja na gestão de uma loja online, no setor financeiro de uma empresa ou de um site com vários acessos.

Nesse contexto, ao utilizar o SSH, o usuário tem benefícios adquiridos por meio da criptografia. Ela assegura o acesso remoto a computadores e servidores de qualquer lugar sem interferir na proteção de dados ou prejudicar o desempenho.

Portanto, se você é um profissional da área da programação ou apenas possui um projeto na internet, vale a pena pesquisar mais informações sobre o protocolo SSH e as suas funcionalidades.