Microsoft tem novos recursos de segurança e de Confiança Zero para o trabalho híbrido

45

A identidade é mais importante do que nunca, e os clientes devem usar as ferramentas que provavelmente já têm para protegê-la

Durante o ano passado, muitas organizações utilizaram todos os meios possíveis para resolver problemas de forma rápida a fim de responder à súbita mudança para o trabalho remoto. E agora, quando saímos de nossas casas e começamos a nos aventurar em escritórios, escolas ou outros espaços físicos, as empresas devem começar a preencher as lacunas da rápida adaptação para enfrentar um novo cenário de ameaça. Novos dados de um relatório da Microsoft constataram que 94% dos CISOs têm preocupações de segurança sobre a mudança para o trabalho híbrido.

30% dos CISOs pesquisados estão preocupados com a incapacidade de gerenciar todos os dispositivos 

A pandemia criou uma tempestade perfeita para o mais severo e sofisticado cenário de ataques – os ataques de ransomware tornaram-se incrivelmente problemáticos com hackers de recompensa capazes de tirar em média até 300 mil dólares das vítimas, sendo que eles atacam 579 vezes a cada segundo!

Hoje, Vasu Jakkal, CVP de Segurança, Conformidade e Identidade na Microsoft compartilhou novos dados e perspectivas sobre as coisas práticas, mas críticas, que os clientes podem fazer agora para proteger seus ambientes de trabalho híbridos:

Publicações Relacionadas

A identidade é mais importante do que nunca, e os clientes devem usar as ferramentas que provavelmente já têm para protegê-la. Curiosamente, menos de 20% dos clientes têm a Autenticação Multi-fator ativada.

Abrace uma mentalidade de Confiança Zero: 30% dos CISOs pesquisados estão preocupados com a incapacidade de gerenciar todos os dispositivos.

Aproveite a segurança mais robusta na Nuvem: 89% de nossos clientes estão mais seguros porque aceleraram sua mudança para a Nuvem.

Invista em pessoas e habilidades – e concentre-se na diversidade. Estamos enfrentando um déficit de 3,5 milhões de profissionais de segurança hoje e este é um verdadeiro ponto de dor para a indústria. Mais especificamente, 91% dos clientes que relatam a demanda por profissionais de segurança cibernética superam a oferta.

No Brasil nos últimos 18 meses, desde a pré-pandemia até agora, as taxas de infecção de malware aumentaram 15% para o Brasil e, como um subconjunto de malware, as taxas de infecção de ransomware aumentaram 53%, de acordo com a telemetria de antivírus do Microsoft Defender.

Vasu Jakkal também abordou as novas orientações anunciadas para a forma como a Microsoft está assegurando sua própria força de trabalho híbrida.