MCom quer incluir mais rodovias nas obrigações de cobertura do leilão do 5G

Os ministros das Comunicações, Fábio Faria, e da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, se reuniram na quarta-feira, 24, para discutir sobre os planos para aumentar a conectividade em rodovias federais. O MCom trabalha para ampliar a quantidade de trechos que serão atendidos com sinal 4G ou superior. Segundo a pasta, a previsão é incluir mais rodovias a serem atendidas no edital, que está sob análise do Tribunal de Contas da União (TCU).

A melhora do acesso à internet nas rodovias federais foi definida pelo Ministério das Comunicações (MCom) como uma das contrapartidas de investimento que as vencedoras da licitação das frequências que serão usadas para a implementação do 5G no Brasil deverão prestar. A meta é cobrir até 48 mil km da malha viária brasileira. Essa é uma demanda antiga de motoristas, passageiros e caminhoneiros, que nem sempre contam com o sinal de dados móveis ao longo de toda a viagem.

Estimativa da Anatel é a de que para o cumprimento da cobertura em rodovias, que traz um Valor Presente Líquido (VPL) negativo, estima-se R$ 2,6 bilhões em investimentos. Não está claro se a adição de mais rodovias impactará na valoração das obrigações – a agência determinou que a conversão em investimentos seja pelo menos 90% do valor total das licenças das frequências no leilão.

Na primeira fase, estão elencadas como prioritárias as rodovias BR-163, BR-364, BR-242, BR-135. BR-101 e BR-116, consideradas estratégicas para o transporte rodoviário de passageiros e do escoamento da produção agropecuária. Agora, o ministério diz que trabalha para ampliar a quantidade de trechos e estradas.

“O 5G vai permitir uma série de recursos que só a alta velocidade e a baixa latência proporcionam. Por exemplo: o caminhão vai ser monitorado desde o seu carregamento, trajeto, chegada ao porto e descarga. Isso vai trazer mais eficiência e possibilitar a automação de muitas tarefas”, exemplificou o ministro Fábio Faria.

Veja também

Roaming obrigatório

Outra diretriz definida pelo MCom para o 5G é o roaming obrigatório. A iniciativa permitirá que usuários de uma operadora tenham conexão em uma região onde a operadora contratada não dispõe de cobertura.

Durante o encontro, o secretário de Radiodifusão do MCom, Maximiliano Martinhão, apresentou ao ministro Tarcísio de Freitas o projeto FM nas Estradas. O programa piloto na Via Dutra, em São Paulo, já trouxe bons resultados, reduzindo o número de acidentes graves em 30%. A rádio funciona apenas no curso da rodovia, oferecendo uma série de serviços como informações sobre o trânsito, acidentes, condições meteorológicas, entre outras. A ideia é expandir esses serviços a outras rodovias no Brasil. (Com informações da assessoria de imprensa do MCom)