Inteligência artificial pode adicionar 4,2 pontos percentuais de crescimento ao PIB do Brasil até 2030

42

A pedido da Microsoft, a consultoria americana FrontierView realizou o estudo “A Inteligência Artificial (IA) na era da COVID-19: Otimizando o papel da IA na geração de empregos e crescimento econômico na América Latina”, para analisar como a economia, a produtividade e os empregos no Brasil poderiam se beneficiar se o país maximizasse a adoção de IA até 2030 – esse cenário se tornou mais provável com a aceleração da transformação digital que ocorreu durante a pandemia da COVID-19.

De acordo com a análise da consultoria, o país pode vivenciar dois cenários distintos: o benefício mínimo e o máximo com a adoção plena da IA, que diferem em quanto de investimento o Brasil pode gerar na expansão de indústrias existentes e novas por meio da implementação de novas tecnologias. No primeiro cenário, espera-se que o uso da IA adicione 1,8 ponto percentual ao PIB brasileiro até 2030; no segundo cenário, o crescimento adicional poderia chegar a 4,2 pontos percentuais. Ambos os cenários pressupõem que o país adote todas as funcionalidades de IA disponíveis atualmente até 2030.

O segundo cenário pressupõe que as empresas e o governo usem a IA para expandir suas operações (não apenas para automatizar tarefas), e que o mercado de trabalho do Brasil possa atender à demanda por novos trabalhos habilitados pela IA. O estudo foi feito pela primeira vez no ano passado (confira aqui) e agora a consultoria fez uma análise adicional sob a perspectiva da COVID-19.

A pandemia do novo coronavírus trouxe impactos negativos ao país em termos de emprego e negócios, levando algumas empresas ao encerramento. Porém, houve uma curva de crescimento positiva na transformação digital tanto das empresas quanto da sociedade, que passou a comprar digitalmente – dois cenários que podem motivar a adoção da IA. As vendas do comércio eletrônico no Brasil, por exemplo, mais que dobraram de abril a agosto em relação ao mesmo período de 2019 (+ 105% de aumento anual), conforme mostra o gráfico a seguir. Embora as vendas no varejo devam retornar intensamente, muitos consumidores optarão por continuar comprando on-line, contribuindo para a evolução dos números do varejo virtual na realidade pós-pandemia.

“A Inteligência Artificial tem um imenso potencial de transformar os negócios e a nossa sociedade, mas para se beneficiar dessas oportunidades, precisamos garantir que ela seja conduzida de maneira ética, responsável e que seja acessível a todos. Por isso, a Microsoft segue firme em seu compromisso de democratizar o uso da IA, em entender seus impactos e garantir que as pessoas estejam preparadas para fazer uso dessa tecnologia”, diz Tânia Cosentino, presidente da Microsoft Brasil.

De acordo com a análise do estudo, a Inteligência Artificial pode ser uma ferramenta para auxiliar o país na recuperação econômica, reduzindo custos, melhorando a arrecadação de impostos e estimulando a liberação de crédito para movimentar a economia. A IA pode acelerar a formalização do trabalhador informal por meio de plataformas digitais, expandindo efetivamente a base tributária e melhorando a arrecadação de impostos.

Segundo dados do IBGE, a taxa de informalidade no trimestre encerrado em agosto foi de 38%, o que equivale a 31 milhões de trabalhadores que atuam por conta própria ou que não têm carteira assinada. Outros benefícios poderiam ser observados no combate à evasão fiscal, capacitando os inspetores fiscais com ferramentas de previsão que podem ajudá-los a identificar mais facilmente os comportamentos fraudulentos; na adoção de IA para a previsão de déficits de receita tributária e nos impactos econômicos de diferentes alocações orçamentárias ou incentivos fiscais.

A indústria de Fintechs já está usando IA para eliminar muitos dos vieses humanos e avaliações de solvência ineficazes que estavam dificultando o acesso ao crédito não apenas para determinados grupos de renda e sociais, mas também para pequenas e médias empresas com capacidade de crédito, especialmente aquelas que operam no setor informal.

Para contextualizar a posição do Brasil em relação à América Latina, a pesquisa analisou Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Peru e Porto Rico. De uma perspectiva país a país, México, Brasil e Costa Rica veriam os maiores saltos no crescimento econômico atribuídos pela adoção da IA, e a Argentina os mais baixos.

“Nossa pesquisa aponta que Inteligência Artificial pode ser um impulsionador da retomada econômica do Brasil após a pandemia da COVID-19. Com as estratégias e investimentos certos o país pode elevar seu crescimento econômico e aumentar a produtividade da população”, afirma Pablo Gonzalez Alonso, diretor de Pesquisa da América Latina na FrontierView.

AI e empregos

O estudo também analisou os impactos que a Inteligência Artificial pode gerar nos empregos, levando em consideração não apenas os efeitos da automação do trabalho, mas também a criação de novos empregos. O modelo geral prevê que de todas as horas que os brasileiros trabalharão em 2030 com base nas projeções pré-COVID-19, 46% delas poderão ser automatizadas com o uso da IA.

No entanto, a criação de novos empregos mitigaria o efeito final sobre a demanda por mão de obra. No cenário de benefício mínimo de IA, a demanda por mão de obra se recuperaria de 46% das horas de trabalho reduzidas (ou economizadas) para 23%; e no cenário de benefício máximo de IA, em que o governo e as empresas não a estão utilizando apenas para automatizar tarefas de trabalho, mas também para expandir seu alcance e operações, a demanda por mão de obra se recuperaria da mesma redução inicial de 46% para uma redução líquida de apenas 7%.

O estudo da FrontierView apontou que uma redução na demanda por força de trabalho não levaria automaticamente à perda de empregos em todos os casos. De acordo com a consultoria, as empresas poderiam atribuir novas tarefas aos funcionários que tiveram suas horas reduzidas, ou até mesmo diminuir a carga horária graças aos ganhos de produtividade que a IA oferece; isso também seria alinhado com as crescentes demandas dos funcionários por um melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

É importante ressaltar que para o Brasil atingir o cenário de Benefício Máximo da IA é necessário estimular a adoção dela para a melhoria de produtos e serviços nos setores público e privado, levando à expansão dos negócios e maior acesso aos serviços públicos. Isso aumentaria a demanda por mão de obra com o impacto inicial da IA e aumentaria a demanda por profissões focadas em tecnologia em todas as indústrias.

Ainda no contexto dos empregos, no cenário de benefício máximo, a demanda por profissionais altamente qualificados aumentaria significativamente, passando de 34% do total de empregos para 54% até 2030. Nesse cenário, a qualificação e a requalificação de profissionais tornam-se imprescindíveis, pois os demais níveis passariam por uma diminuição nas ofertas para trabalhadores de média (-31%) e baixa qualificação (-44%). No cenário de benefício mínimo, os empregos altamente qualificados aumentariam sua proporção em 16 pontos percentuais, de 34% para 50% do total de empregos até 2030.

Na análise dos países latino-americanos, o Brasil tem a segunda maior oportunidade de aumentar seu crescimento de produtividade e equipará-lo ao de países desenvolvidos na região logo após o México, que ocupa a primeira posição, – à medida em que se automatizem tarefas de baixo valor agregado e graças à qualificação dos trabalhadores. Isso se baseia nos níveis atuais de produtividade por indústria e por ocupação no país, e presumindo que o Brasil possa se igualar aos níveis de produtividade dos Estados Unidos para as mesmas indústrias e ocupações graças à plena adoção da IA e à qualificação generalizada de sua força de trabalho.

Requalificando o mercado

Para que se possa aproveitar o potencial trazido pela IA e a demanda por profissionais qualificados para as novas tecnologias, o Brasil não deve contar apenas com os já existentes e novos graduandos em cursos nessa área, é necessário requalificar a população.

De acordo com análise da FrontierView, o Brasil deve focar na melhoria da formação de sua força de trabalho e na criação de um ambiente de inovação para acelerar a adoção da IA garantindo, ao mesmo tempo, acesso igualitário à tecnologia e implementação inclusiva da IA. É necessário estimular a participação das mulheres nas áreas de STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português), o acesso à educação para todos os brasileiros independentemente da origem socioeconômica e o acesso à tecnologia por todas as empresas, independentemente do porte.

Para endereçar esses desafios, a Microsoft lançou iniciativas que buscam auxiliar na capacitação e recapacitação profissional e reforçar o compromisso da companhia com o país. Foi apresentado, em outubro, o programa Microsoft Mais Brasil, em que uma das iniciativas é voltada à requalificação profissional. Trata-se da “Escola do Trabalhador 4.0”, uma plataforma de ensino remoto desenvolvida pela Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/ME) em parceria com a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que inclui cursos da Microsoft por meio da ferramenta Microsoft Community Training. A plataforma estará disponível para brasileiros de todo o país e tem como objetivo atender até 5.5 milhões de candidatos a emprego até 2023. A Microsoft irá disponibilizar 58 instrutores para oferecer orientação personalizada para até 315 mil pessoas.

A Microsoft também anunciou em outubro a disponibilidade no Brasil de um programa com o LinkedIn para a capacitação de pessoas com cursos gratuitos. O programa global, que agora é suportado em português, oferece 9 rotas de aprendizagem e reúne um total de 96 cursos de capacitação que foram pensados de acordo com as profissões mais demandadas e habilidades mais desejadas no mercado, levando em consideração tanto habilidades técnicas, quanto as chamadas soft skills. O programa foi lançado globalmente em julho nos idiomas inglês, francês, espanhol e alemão, tendo atingido, até o momento, cerca de 10 milhões de pessoas. Nossa meta é que o programa atinja 25 milhões de pessoas em todo o mundo.

Para debater os impactos e oportunidades trazidas pela IA, a Microsoft criou o AI Industry Board, comitê que tem como objetivo discutir o uso ético e responsável da Inteligência Artificial, no qual representantes de diversas empresas e organizações do país debatem quais são os desafios e oportunidades trazidos pela adoção da tecnologia. Nas reuniões são discutidos temas como o processo de retomada econômica, como a tecnologia pode impulsionar os negócios e que a requalificação em habilidades voltadas às tecnologias emergentes é essencial para se beneficiar do potencial trazido por elas.

você pode gostar também