Inteligência Artificial avança rápido demais e gera riscos, diz KPMG

19

A pandemia acelerou o ritmo de adoção da Inteligência Artificial (IA), mas executivos afirmam que ela está avançando rápido demais. Além disso, apesar das preocupações com a velocidade de adoção, os líderes de negócios estão confiantes que a IA pode ajudar a enfrentar alguns dos desafios mais difíceis de hoje, incluindo o rastreamento da Covid-19 e as vacinas. Essas são algumas das conclusões da pesquisa “Prosperando em um mundo de IA” (Thriving in an AI World, em inglês), conduzido pela KPMG.

De acordo com o conteúdo, um número elevado de líderes de negócios dos setores a seguir afirmam que a IA é pelo menos moderadamente funcional em suas organizações: produção industrial (93%), serviços financeiros (84%), tecnologia (83%), varejo (81%), ciências da vida (77%), saúde (67%) e governo (61%). Vários setores também registraram aumento significativo em relação ao relatório do ano passado, como é caso de serviços financeiros (37%), varejo (29%) e tecnologia (20%).

“Os líderes de negócios estão observando que a adoção da IA disparou com a pandemia. Contudo, como o avanço está sendo muito rápido, há um debate relevante em andamento sobre questões de ética, governança e regulamentação. Muitos desses líderes não conseguem ter uma visão clara do que suas organizações estão fazendo para controlar e governar a IA e temem que os riscos estejam aumentando”, afirma Frank Meylan, sócio-líder de Tecnologia, Transformação Digital e Inovação da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Metade dos líderes de negócios nos setores de produção industrial (55%), varejo e tecnologia (49% em cada) afirmam que a IA está avançando mais rápido do que deveria no seu setor. As preocupações com a velocidade de adoção da IA são particularmente pronunciadas entre pequenas empresas (63%), líderes de negócios com alto conhecimento de IA (51%) e líderes de negócios das Gerações Z e Y (51%).

Ao mesmo tempo, a pesquisa da KPMG também destacou que os líderes de negócios de pequenas (88%) e grandes (80%) empresas afirmam que a tecnologia de IA ajudou sua empresa durante o surto da Covid-19. Executivos de ciências da vida e saúde estão extremamente confiantes na capacidade da AI monitorar a disseminação de casos de Covid-19 (94% e 91%), ajudar no desenvolvimento de vacinas (90% e 94%) e na distribuição (90% e 88%), respectivamente.

“Estamos observando níveis muito elevados de apoio em todos os setores para uma maior regulamentação da IA. Como a tecnologia avança muito rapidamente, um ambiente regulatório mais robusto pode ajudar a facilitar o comércio. Ele também pode ajudar a eliminar barreiras não intencionais, oriundas de outras leis e regulamentos, decorrentes da falta de maturidade das normas legais e técnicas”, afirma Ricardo Santana, sócio-líder de Data & Analytics da KPMG no Brasil.

As conclusões da pesquisa “Prosperando em um mundo de IA”, da KPMG têm como base o retorno de 950 tomadores de decisão de negócios em tempo integral e/ou tomadores de decisão de Tecnologia da Informação com pelo menos um conhecimento moderado da IA de empresas com receita superior a US$ 1 bilhão em sete setores: tecnologia, serviços financeiros, produção industrial, saúde, ciências da vida, varejo e governo. Os entrevistados de saúde e ciências da vida são de empresas com receita superior a US$ 100 milhões.

O conteúdo está disponível na íntegra neste link.

você pode gostar também