Huawei inaugura centro global de segurança cibernética

Iniciativa faz parte de um esforço da empresa em envolver clientes, fornecedores e outros stakeholders para fortalecer a segurança em um mundo digital

A Huawei inaugurou hoje seu maior Centro Global de Transparência em Segurança Cibernética e Proteção de Privacidade em Dongguan, na China. Junto com a inauguração, a Huawei também lançou seu Product Cyber ​​Security Baseline, marcando a primeira vez que a empresa disponibilizou para o mercado sua estrutura básica de segurança de produto e práticas de gestão. Essas ações fazem parte dos esforços mais amplos da empresa para engajar clientes, fornecedores, organizações de padrões e outros stakeholders para fortalecer a segurança cibernética em todo o setor.

“A segurança cibernética nunca foi tão importante. Como setor, precisamos trabalhar juntos, compartilhar as melhores práticas e desenvolver nossas capacidades coletivas em governança, padrões, tecnologia e verificação. Precisamos dar ao público em geral e aos reguladores, um motivo para confiar na segurança dos produtos e serviços que usam diariamente. Juntos, podemos encontrar o equilíbrio certo entre segurança e desenvolvimento em um mundo cada vez mais digital”, disse Ken Hu, presidente rotativo da Huawei, no evento de inauguração.

Nos últimos anos, a transformação digital do setor e as novas tecnologias, como 5G e IA, tornaram o ciberespaço mais complexo do que nunca, o que foi agravado pelo fato de que as pessoas têm passado a maior parte de suas vidas online durante a pandemia de Covid-19. Essas tendências levaram a um aumento de novos riscos de segurança cibernética.

A Huawei inaugurou o novo Centro Global de Transparência em Segurança Cibernética e Proteção de Privacidade em Dongguan, para resolver esses problemas, fornecendo uma plataforma para que os stakeholders do setor compartilhem sua experiência em governança cibernética e trabalhem juntos em soluções técnicas. O centro foi projetado para demonstrar soluções e compartilhar experiências, facilitar a comunicação e a inovação conjunta e apoiar testes e verificações de segurança. Ele estará aberto a reguladores, organizações de teste terceirizadas independentes e organizações de padrões, bem como clientes, parceiros e fornecedores da Huawei.

Para promover uma abordagem unificada à segurança cibernética no setor de telecomunicações, organizações como GSMA e 3GPP também têm trabalhado com o ecossistema do setor para promover as Especificações de Garantia de Segurança NESAS e as certificações independentes. Essas linhas de base tiveram ampla aceitação no setor e desempenharão um papel importante no desenvolvimento e verificação de redes seguras.

Estrutura

No evento, a Huawei também lançou seu Product Cyber ​​Security Baseline, o ápice de mais de uma década de experiência em gerenciamento de segurança de produto, incorporando uma ampla gama de regulamentações externas, padrões técnicos e requisitos regulamentares. O Cyber ​​Security Baseline, junto com outros mecanismos de governança da empresa, ajuda a garantir a qualidade, segurança e confiabilidade dos produtos da empresa. Ao longo dos anos, a Huawei construiu mais de 1,5 mil redes que conectam mais de 3 bilhões de pessoas em 170 países e regiões. Nenhuma dessas redes jamais experimentou um grande incidente de segurança.

“Esta é a primeira vez que compartilhamos nossa estrutura básica de segurança com todo o setor, não apenas com os principais fornecedores”, disse Sean Yang, diretor do Escritório Global de Segurança Cibernética e Proteção de Privacidade da Huawei. “Queremos convidar todos os stakeholders, incluindo clientes, reguladores, organizações de padrões, provedores de tecnologia e organizações de testes, para se unirem a nós na discussão e no trabalho em linhas de base de segurança cibernética. Juntos, podemos melhorar continuamente a segurança do produto em todo o setor”.

No momento, o setor ainda carece de uma abordagem coordenada e baseada em padrões, especialmente quando se trata de governança, capacidades técnicas, certificação e colaboração. “O risco de segurança cibernética é uma responsabilidade compartilhada”, comentou Ken Hu. “Governos, organizações de padrões e fornecedores de tecnologia precisam trabalhar mais próximos para desenvolver uma compreensão unificada dos desafios de segurança cibernética. Este precisa ser um esforço internacional. Precisamos definir metas compartilhadas, alinhar responsabilidades e trabalhar juntos para construir um ambiente digital confiável que atenda aos desafios de hoje e de amanhã”, concluiu.