5G: consumidores estão dispostos a gastar mais com serviços inovadores

Estudo da Ericsson mostra que usuários estão inclusive substituindo o Wi-Fi pelo 5G, mesmo em casa, para acessar serviços como gaming e AR

Além de reduzir o uso de Wi-Fi, os primeiros usuários de 5G também gastam em média duas horas a mais em jogos na nuvem e uma hora a mais em aplicativos de realidade aumentada (AR) por semana, em comparação aos usuários 4G. É o que revela um relatório da Ericsson lançado nesta quinta (13) e que analisa o comportamento dos consumidores e o impacto do 5G sobre a oferta das empresas no futuro.

Foram feitas 30.730 entrevistas online com usuários de smartphones entre 15 e 69 anos em 26 mercados. Segundo a Ericsson, a conclusão é que os provedores de serviços precisam estar mais cientes do que os consumidores desejam alcançar com o 5G e ser mais inovadores ao oferecer novas experiências.

Isso porque, apesar de estarem satisfeitos com a velocidade, cerca de 70% dos usuários ouvidos estão insatisfeitos com a disponibilidade de serviços inovadores e novos aplicativos no 5G. Dizem também que estão dispostos a pagar de 20 a 30% a mais por planos integrados a casos de uso de serviço digital.

Cinco descobertas chave

O estudo da Ericsson resume suas descobertas em cinco grandes eixos. Primeiro que a disposição dos consumidores em adotar a nova geração de internet cresceu com a pandemia, e quanto mais informação disponível, maior a disposição.

A segunda descoberta é que o 5G está tomando lugar do Wi-Fi na preferência dos consumidores. Vinte por cento dizem que diminuíram o uso de Wi-Fi após assinarem um plano 5G. O que leva à terceira descoberta: a maior parte das experiências dos usuários de 5G foi em ambientes fechados, o que significa que a cobertura interna se tornou mais importante que velocidade ou duração da bateria dos dispositivos.

A quarta descoberta é que os early-adopters estão satisfeitos com as velocidades 5G, mas esperam novos aplicativos que façam uso dessas capacidades. E que, eis aqui o último fator, os consumidores estão dispostos a gastar mais por esses novos serviços.

O estudo completo da Ericsson pode ser lido nesse
link.